Cesar Millan ou Victoria Stilwell, quem tem razão?

Sempre quando começamos a falar em técnicas de adestramento básico, comportamento canino e problemas de temperamento vêm à tona o debate para saber quem é melhor Cesar Millan, o mexicano que virou celebridade em L.A. com o programa “O Encantador de Cães” (Animal Planet), ou Victória Stillwell, ex- atriz britânica que apresenta o programa “Ou eu ou o Cachorro” na GNT.

Cesar não se mostra como adestrador, mas sim como comportamentalista canino que tem objetivos bem diferentes de ensinar o cão a sentar ou dar a pata. No Brasil, adestradores, MV especialistas em comportamento animal criticam-no por ser entendê-lo como rude, pregar a submissão e abusar dos toques físicos nos cães. Os resultados de suas “sessões” são rápidos e quando não consegue atingir seu objetivo, (em curto prazo) leva o cachorro do episódio para seu centro de reabilitação em Los Angeles, para terminar o tratamento.

041409-Cesar_Millan-540

Victoria tem outra abrangência em seus programas. Ela ensina técnicas, comprovadas pelos adeptos do Reforço Positivo, que com paciência, insistência e muito trabalho os cães podem abandonar comportamentos bastante desagradáveis e perigosos para quem convive com eles.

VictoriaStillwellMeOrThedog

APROVEITAR O LADO BOM DE CADA UM

Como bom curioso eu prefiro entender melhor e pesquisar o que cada um tem para oferecer, separando caso a caso. Em minha opinião, as técnicas de César são mais eficientes com cães agressivos, ansiosos e dominantes de raças grandes, principalmente os molossos. Na realidade, Cesar treina o tutor e família humana a se tornar o líder do cão deixando bem claro que o inverso é perigoso para o equilíbrio da relação humano-cão-humano e traz sofrimento ao animal. No caso que ocorreu no Rio de Janeiro, entre um casal de Rottweillers agressivos que chegaram a mutilar a mão da tutora. É claro que o fim desta história foi trágica para todos. A mulher, médica-cirurgiã, perdeu o movimento da mão direita e, consequentemente, sua carreira. O cão foi sacrificado por ser uma ameaça real para a família. O marido desta médica lamenta não ter entendido os sinais demonstrados pelos cães, tais como a possessividade da comida, a territorialidade e a dominância excessiva do macho. Sobrou carinho e faltou atitude.

Neste cenário é preciso entender que pessoas inexperientes com cães devem evitar certas raças. Ao mesmo tempo, quem tem um exemplar de uma raça forte deve buscar informação, ajuda profissional e se impor como líder indiscutível do animal. César deixa isso bem claro quando diz que carinho e amor não são o que um cão espera da relação, mas sim três coisas, nesta ordem:

  • Exercício: Eles precisam gastar a sua energia de forma orientada, pelo menos uma hora por dia, sempre respeitando os sinais do seu líder \ dogwalkercastrozn, geralmente é recomendado passeios de pelo menos 40 minutos (dependendo do porte, idade e salvo restrição médica veterinária); [Posse Responsável];
  • Disciplina: Deve ser aplicados com o escalonamento de regras, limites e restrições entre o cão e matilha-família. Disciplina também quer dizer regularidade das tarefas e com as atividades indicadas, propiciando que eles se tornem mais sociáveis e tranquilas; [Psicologia Canina];
  • Carinho: Isso a maioria é especialista. Essa deve ser a última atividade realizada com o cão. O carinho também é usado como recompensa por bom comportamento. [Reforço Positivo].

Victoria Stillwell é adestradora profissional. Admirado e seguido por milhões de profissionais e proprietários de cães, seu método de educação canina é embasado no reforço positivo de treinamento, que, por meio de petiscos e agrados, mostra ao cão que atitudes positivas têm recompensa, e combate, veementemente, a dominância, a agressividade e a punição diante de maus comportamentos do animal. Ela diz que muitos comportamentos negativos dos cães acontecem porque eles vivem sob as regras de nossa casa, estranhas aos animais, e acabam desenvolvendo problemas como estresse, ansiedade e insegurança. Se punir esse animal, poderá fazê-lo se comportar de forma ainda pior e incentivá-los a se tornarem agressivos. O reforço positivo mostra ao cão como se comportar e de que forma se comportar bem traz prazer.

Em contra ponto a Cesar Millan, Stilwell afirma: “O ponto principal contra a teoria da dominação é que ela pode ser perigosa para as pessoas. Quando as pessoas veem, na mídia, um cão que é treinado com o uso dessas técnicas rudes, de certa forma está sendo enganados. O modo como a TV mostra as coisas pode ser muito sedutor. (Lembre-se do aviso sobre nunca realizar as técnicas aplicadas por Cesar Millan e SEMPRE solicitar apoio profissional). A razão pela qual me orgulho muito de meu programa é que, se algo não está dando certo, não digo que é um sucesso. Nós mostramos a verdade. Não acontece com muita frequência no meu programa porque trabalho duro para que tudo dê certo. Mas as pessoas vão acreditar no que virem e pode parecer impressionante. O que elas não percebem que algumas técnicas podem causar danos psicológicos aos cães e afetar a confiança entre cão e dono.”.

Em tempo: Eu nunca vi Cesar Millan, apesar da rudeza característica, condenar um cão a ser sacrificado, no entanto, Stilwell recomendou o sacrifício de um Cocker Spaniel, durante um episódio que tratava de agressividade. Agora basta você optar qual programa ou leitura mais te agrada ou se encaixa no perfil de seu cão, para que possa ajudá-lo a interagir ainda mais com seu companheiro.

 

Sobre o autor do blog:

🐾 Atendimento sempre que precisar ausentar-se por horas, dias, férias, viagens ou compromissos.

Agende sua #Visita #hoje mesmo pro #cãoforto da sua matilha!
#Wpp 📲 11 9 9277-8700, Seg. à Sexta, ⌚ 8h às 20h.
📧 dogwalkercastro@gmail.com
🐾 Brincar é arte, passear faz parte! 🐾

 

Anúncios
Adestramento, Cesar Millan, Comportamentalista Canino, Victoria Stilwell